Um vídeo feito pelo adolescente José Jairo, de 15 anos, tem gerado milhares de compartilhamentos nas redes sociais. Ele que é conhecido como o menino dos ‘ossos de vidro’, mora na cidade de Tavares, no Sertão da Paraíba, e pede no vídeo ajuda para conseguir uma cadeira de rodas motorizada. O garoto nasceu com osteogênese imperfeita, doença rara e congênita que causa fragilidade óssea.

Jairo tem apenas 1 metro de altura, 334 fraturas pelo corpo e não anda. A sua cadeira de rodas simples é desconfortável, o que dificulta sua locomoção no dia a dia.

Para você ajudar a ele conseguir a tão sonhada cadeira motorizada é só entrar em contato com a redação do Blog do Aryel Aquino, através do nosso WhatsApp (87) 9 9656-4022.

Para doações em dinheiro, nessa conta bancária: Banco do Brasil – C/C: 18256-7 Ag: 2714-6 Maria Aparecida de Lima. Para mais informações, ligue: (83) 9 9830-0643 ou (83) 9 9825-1338 (Ciara).

Doença: O problema de saúde do garoto foi detectado ainda no útero da mãe. “Com seis meses de gestação, comecei a sentir muita dor. Foi aí que os médicos no Recife descobriram que era quando ele (Jairo) se quebrava na minha barriga”, contou a mãe, Maria Aparecida, em entrevista ao Blog do Aryel Aquino.

Segundo ela, quando Jairo nasceu os médicos encaminharam o caso para assistência social. A mãe relatou que o Conselho Tutelar de Princesa Isabel/PB fez o acompanhamento do problema do garoto e que em determinado momento houve uma tentativa de separar mãe e filho, devido uma suspeita de que o menino estava sendo vítima de maus-tratos.

“O Conselho ficou no meu pé, dizendo que ia tomar meu filho, afirmando que eu vivia maltratando ele. Eu disse, eu não maltrato ele não. Criei cinco filhos e nunca fiz um arte em nenhum, por que é que nesse eu vou fazer essa ingratidão toda?”

A mãe de Jairo ainda contou que passou um bom tempo no Recife em busca da cura da doença do filho, quando foi informada pelos médicos que não havia solução para o caso. Segundo ela, em um momento, devido à medicação, o garoto chegou a ficar todo preto, intoxicado e em coma por duas vezes.

“Certa vez, quando era pra gente voltar ao Recife, Jairo, pediu: mamãe não me leve não, eu lhe peço pelo amor de Deus. É porque a senhora perdeu a fé que tinha em Deus para ter fé nos homens da terra, que eu já fui desenganado. Se a senhora me levar e eu chegar a morrer a culpa é sua”, disse emocionada a mãe, afirmando que o menino tem 334 (trezentas e trinta e quatro) fraturas pelo corpo.

Os médicos só deram dez anos de vida ao garoto, que com garra e determinação já ultrapassou a década. A família vive com um salário mínimo em uma casa simples, que é financiada. Todo mês, é pago o valor de R$ 500,00 (quinhentos reais), segundo a mãe do garoto. Os pais de Jairo torcem que ele consiga a cadeira para melhor viver.

COM BLOG DO ARYEL AQUINO